Prosa, poesia, conexões quânticas, dicas de redação e de leitura, comentários, reflexões… Palavras em infinito movimento!

FUNDO DE MIM

 Quando foi que desaprendi

de chorar, que as lágrimas

não secaram ou congelaram

mas ficaram contidas

uma lembrança úmida

empoçada em caminhos internos.

E se não choro

minh’alma doída

não encontra vazão para o sofrer

resta, então, ao sentimento

assim retido, aprisionado, torturado

fluir e fluir e continuar fluindo

pelas águas subterrâneas.

rios subterrâneos 6

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: