Prosa, poesia, conexões quânticas, dicas de redação e de leitura, comentários, reflexões… Palavras em infinito movimento!

Posts marcados ‘poemas de Ana Setti Rosa’

Haicai 17

Ao florescer em tom rosa

pálido, quase branco, o ipê

brinca que está nevando.

Ipê branco 1

Circunstâncias

Flores ao vento 12

Silêncio,

cinza lá fora,

chuva amena,

mesa farta,

falta o pai – que é dia deles –,

falta mais gente – que a família

se apequenou com as perdas

do caminho.

É muito

ou pouco,

dependendo

da perspectiva,

prefiro a plena:

o silêncio,

a serenidade,

a falta da família

ao redor da mesa

compõem  apenas

uma circunstância.

O viver é feito disso,

circunstâncias,

aproveitá-las,

usufruí-las

e fim,

só isso,

tudo isso.

Chuva na janela 11

Poema engraçadinho

Óculos

O míope, quando

tira os óculos,

se vê – literalmente –

imerso em um

quadro impressionista.

Monet - Impression du Soleil Levant (1873)

Haicai 15

 

Passeio no parque –

respirar, em largos haustos,

uma miríade de verdes.

Parque 8

Haicai 13

 

Murmúrio de regato – 

o silêncio da natureza

é cheio de sons.

Regato 2A

Veio de onde?

Cascatas,

música clássica,

chuva rápida,

estalo de pipoca,

disso tudo,

um pouco de cada coisa,

veio a sonoridade

cristalina

das risadas.

 cascatas-11

Apesar de…

Há dias em que dá uma

vergonha de mim,

de ser quem sou,

de ser como sou.

O que fazer?

Fugir,

enfiar-me na toca,

deixar de ser?

A melhor alternativa

é viver – como diria

Clarice Lispector – 

apesar de…

knut2

 

Contrariar as contrariedades

Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive, muitas vezes, é o próprio apesar de que nos empurra para a frente. Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita foi a criadora da minha própria vida.
Clarice Lispector, em ‘Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres’

 

Razões

Quando perguntaram

ao guerreiro

ao inquisidor

ao terrorista

ao ditador

ao homem, enfim,

por que era tão cruel

com o outro homem,

ele respondeu simplesmente,

sem hipocrisias religiosas

ou apelos idealistas:

– Porque eu posso.

 

Na luta da vida,

o poder é uma arma

muito perigosa.

 

poder-1

 

 

Vórtice

No fim, só a

morte é certa.

Mas, no remoinho

do viver, mesmo

as certezas são incertas

e fluem, em sua particular

harmonia, pelos mistérios

da impermanência.

Canções da Alma 3

 

Mergulho

Mergulho 6

 

 

 

 

 

 

Ser aquático,

mergulhar

nas profundezas

do oceano,

escapar do etéreo

para o aconchego

do cristalino

manto.

Estender-se leve

ao balanço das algas

e, como as tartarugas,

sombrear

as transparências,

pintalgando de prata

os cardumes

em efervescência.

Tomar impulso

de golfinho,

defendendo-se

como o marlim

e sua espada,

assustando curiosos

feito moreia

entocada.

Mergulho 4Envolver-se

no redemoinho

das ondas,

temendo as manchas

aladas e seus bicos

pontiagudos

a furar

a flor das águas.

Desmanchar-se em

miríades de cores

e formas submarinas,

fluir

pelas correntezas,

acompanhando as marés

da lua eternamente

enamoradas.

Esquecer,

em abandono submerso,

a dimensão seca

da vida.

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: