Prosa, poesia, conexões quânticas, dicas de redação e de leitura, comentários, reflexões… Palavras em infinito movimento!

Posts marcados ‘poema sobre a vida’

Aquarela VII

A areia das praias

dunas, desertos

foi parar no céu

espatulada

em nuvens prateadas.

Por um longo instante

o mundo ficou virado

de ponta-cabeça.

E então

como se nada fosse

tudo se desfez.

O pó feito de água

escoou, escorreu

suavemente

pela ampulheta

do horizonte.

Ampulheta 2

Anúncios

TUDO OU NADA?

Patos na lagoa 4

Cansaço de tudo

de pensar no hoje

de esperar pelo amanhã

das tarefas obrigatórias

da posição defensiva

diante das ameaças

do mundo

do próximo

do distante

do sucesso do outro

da ilusão de dar valor

a esse sucesso

ou ao próprio

tão passageiro

está sendo

já foi

e lá vem outra onda

de fatos, acontecimentos

eu dentro, eu fora

sim e não, tanto faz

por isso, o cansaço

o desapego

pois o que é o viver

senão ser parte

de tudo, de um todo

assim como a pata

que ciceroneia

os patinhos na lagoa.

Deixa passar

Urgente resgatar

o amor do sofrimento

que não é inerente

mas provocado

por causa do excesso

ou por falta, descaso

se há uma média

uma dose certa

desse amor

que tudo permeia

fluindo como água

estimulando a vida

por onde passa

talvez esteja aí mesmo

nesse movimento

o mistério desvelado

nada de segurar

prender o amor

ou canalizá-lo

deixá-lo passar

eis a melhor receita

nem muito, nem pouco

apenas não contê-lo.

 

 

Haicai 3

Difícil desgarrar

da imagem para se

aninhar na essência.

Imagem 1

Haicai 2

Há momentos na vida

de muitos quereres,

mas poucos fazeres.

Quereres 3

PASSOU, PASSARÁ

serenidade 2

Não olhar para trás.

Não perscrutar o futuro.

Viver o presente.

De preferência, o agora.

Ter outra noção dos dias que passam.

Sem ansiedade.

Sem emaranhar o futuro.

Sem se ancorar no passado.

Não chorar pelo leite derramado.

Não sofrer por antecipação.

Serenidade.

Eis a lição do tempo.

Banquete da vida

 

 

 

 

 

 

A vida nos mói

como a um feixe

de trigo,

para tirar o melhor

de nós mesmos.

Em meio à trituração,

ao amassamento,

temos flashes

de esclarecimento,

um raio de sol

que perpassa, sorrateiro,

as tábuas do moinho.

Cabe a cada um

cooperar

para que a aflição

da moagem

não se prolongue;

para que, uma vez

farinha,

acordemos,

nos libertemos,

participando assim,

matéria-prima refinada,

do banquete da vida.

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: