Prosa, poesia, conexões quânticas, dicas de redação e de leitura, comentários, reflexões… Palavras em infinito movimento!

Posts marcados ‘paradoxos’

Paradoxos do viver

Fractais - Árvore - Azul e DouradoFractais 5Fractais - árvore folhas verdes

 

 

 

O medo é nosso pior conselheiro e também é aquele que mais consultamos.

Erro mais quando não faço nada, por medo de errar.

Todos temos uma fera e um anjo dentro de nós. É sensato manter a fera sob controle; mas é preciso, para aguentar o tranco, dar ao anjo pés de barro.

Fractais - árvore folhas verdesFractais - Árvore - Azul e DouradoFractais 5

Anúncios

O enigma dos paradoxos

Para conquistar desenvoltura na redação, nada melhor do que exercitar a mente. Nesse sentido, resolver aparentes  “enigmas” pode se revelar um ótimo começo.

A proposta é trabalhar com paradoxos – afirmações que trazem em si um antagonismo, uma contradição de ideias. Por ser como são, mostram-se extremamente estimulantes para o pensar. Frente a um deles, ficamos intrigados e motivados a tentar desvendar o ponto de vista que tão bem encobrem.

Exercite-se e divirta-se, seguindo os passos adiante:

  • Considere cada um dos paradoxos, relacionados abaixo, um enigma, um mistério, que você vai tentar desvendar por escrito.
  • Leia, reflita e “pince” as ideias contraditórias que cada um deles traz.
  • A partir da descoberta dessas ideias contraditórias, tente encontrar, em suas referências pessoais, comparações que possam sustentar esse antagonismo, ou seja, que o expliquem, que o façam ter sentido para você.
  • Encontrada uma referência, que desvende a aparente contradição, pergunte-se se você concorda, ou não, com a afirmação contida no paradoxo.
  • Escreva as razões que o levaram a chegar a essa conclusão (concordar ou não).

SÓ O EFÊMERO TEM VALOR DURADOURO.

Ionesco / Teatrólogo


A ARTE É UMA MENTIRA

QUE FAZ A GENTE CAPTAR A VERDADE.

Picasso / Pintor


AQUI TODAS AS NORMAS PODEM SER DESOBEDECIDAS,

MENOS ESTA.

(Paradoxos citados em “Um Toc na Cuca” / Livraria Cultura Editora)


Exemplo de uma abordagem

  • Vou tentar desvendar o seguinte paradoxo:

O POUCO QUE SEI, DEVO À MINHA IGNORÂNCIA.

  • Leio, reflito e “pinço” as ideias contraditórias:

1)  Como a ignorância – que é um “não saber” – pode me levar a saber alguma coisa, mesmo que pouco?;

2)  Se sei pouco, como posso me vangloriar da minha ignorância, como se ela tivesse sido um estímulo?

Observe que procuro, ao “pinçar” as ideias contraditórias, explorar a afirmação por diferentes ângulos, para tentar entendê-la; e esses diferentes ângulos se definem a partir das minhas referências pessoais, ou seja, outra pessoa, ao analisar o mesmo paradoxo, poderia seguir por caminhos diversos daqueles que escolhi; e ambos estaríamos certos, cada um com a sua verdade, com o seu nível de entendimento.

  • Dos dois ângulos de abordagem que escolhi para analisar o paradoxo, faz mais sentido para mim o primeiro: como a ignorância – que é um “não saber” – pode me levar a saber alguma coisa, mesmo que pouco?
  • Procuro, então, entender essa contradição a partir de alguma comparação, de uma linha de raciocínio, tal como: se não sei determinado assunto e aceito, com humildade, essa condição, a tomada de consciência sobre minha ignorância torna-se um estímulo para que eu deixe de ser ignorante. Vou atrás da informação, da história, do conhecimento e aí passo a saber.
  • Percebo, contudo, que frente à imensidão do que não sei, o que acumulei de conhecimento hoje ainda pode ser considerado pouco.
  • Assim, faz sentido dizer que “o pouco que sei deve-se à minha ignorância”.
  • Posso expressar esse entendimento por meio de uma reflexão.  É a sina do homem: ele avança, avança, movido por sua curiosidade e “sede” de saber e tem seu orgulho intelectual sempre vencido pela imensidão de tudo o que ainda não sabe.

AGORA É A SUA VEZ!

Para conferir o resultado, leia o paradoxo e a conclusão a que chegou para uma pessoa em cuja opinião você confie. O que você vai querer saber?

Se sua conclusão tem lógica, se explica (com algum sentido) o paradoxo, mesmo que você ou a pessoa que o ouviu não concordem com a afirmação expressa no paradoxo.

Se quiser, compartilhe seus resultados no “Deixar um comentário” deste blog. Aguardo sua participação!

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: