Prosa, poesia, conexões quânticas, dicas de redação e de leitura, comentários, reflexões… Palavras em infinito movimento!

Posts marcados ‘palavras’

A apresentação do texto

  Como vimos, na primeira desta série de dicas, a FORMA de um texto também está relacionada à APRESENTAÇÃO (aparência, estética, formato) da sequência lógica e coerente de frases, que desenvolve um raciocínio com sentido completo (texto).

As cores do Ano Novo - 2

  Preocupar-se com a apresentação de um texto significa, basicamente, fazer escolhas, tais como:

* Escrever em prosa (texto corrido) ou em verso (poesia)?

* Diagramar, ou seja, dispor harmoniosamente elementos diversos – texto, figuras, molduras etc. – num determinado espaço, com mais sobriedade, formalismo ou com mais ousadia, criatividade, informalidade?

* Utilizar qual formato, entre tantos à nossa disposição, como: relatório, projeto, carta, comunicado, e-mail, folheto, mala-direta, discurso, livro, texto teatral, roteiro de cinema, anúncio, cartaz…?

* A apresentação de um texto abrange muitas escolhas e a melhor forma de decidir é avaliar, especialmente:

– A mensagem que se quer passar.

– O público ao qual a mensagem se destina.

Exemplo:

1) Quero passar mensagens sequenciais sobre como conquistar desenvoltura, segurança e prazer na expressão por escrito. O público ao qual essa mensagem se destina é formado por jovens e adultos interessados em escrever bem.

2) Pelo tipo de mensagem e abrangência do público escolho o formato “Dicas”, ou seja, textos não muito extensos, objetivos e, escritos em prosa – texto corrido -, já que as dicas são, basicamente, artigos  didáticos.

3) Quanto à diagramação, opto por uma miscelânea (organizada). Centralizo alguns trechos, justifico outros ou os alinho à esquerda e à direita; recorro ao negrito, ao itálico e ao sublinhado, à CAIXA ALTA ou baixa;  uso molduras ou apenas um sombreamento; eventualmente, utilizo marcadores ou numeração; recorro ainda ao espaçamento (entre linhas) e ao parágrafo (mudança de linha e entrada) para conseguir um visual mais leve. Todos esses recursos (que o computador oferece hoje ao escritor) são usados com o objetivo de passar para o leitor uma mensagem clara, precisa, instigante, atraente.

APRESENTAÇÃO de um texto é isso!

  Vale lembrar que os variados formatos de texto já estão genericamente definidos, ou seja, possuem elementos básicos de apresentação que os caracterizam como tais ou quais.

  Um roteiro de cinema, por exemplo, exige, para ser considerado como tal, uma apresentação bastante específica. Entre outras coisas, páginas divididas verticalmente, para que, de um lado, seja descrita a cena, e, do outro, sejam descritos os diálogos.

  Uma carta comercial, por sua vez, pede um texto curto, com ênfase (negrito, sublinhado etc.) em algumas frases ou palavras que não podem passar despercebidas, e diagramação mais sóbria.

MAS TUDO PODE SER REINVENTADO E APRIMORADO!

Ao escolher um formato de texto, adequado à sua mensagem e ao público ao qual sua mensagem se destina, dê uma espiada no que existe (em relação ao formato escolhido) e use a criatividade e o bom senso para adaptá-lo às suas necessidades e às de seus leitores.

Retrospecto por meio da leitura

  Para conquistar maior desenvoltura no “ofício” da escrita, vimos que é preciso ter conteúdo e saber como expressá-lo, desenvolvendo um texto lógico, coerente, fluente, bem escrito, bem pontuado e com uma apresentação adequada.  Vale também, e muito, criar o prazeroso hábito da leitura, mas… Seja crítico:

* Reforce sua confiança,

* Confie em sua opinião.

* Confie em seu sentimento.

* SEMPRE use sua opinião e seu sentimento como referências para concordar ou discordar do que está escrito.

* Lembre-se: não é porque está escrito que é verdade.

Exercite seu raciocínio

* Argumente e contra-argumente com o autor.

* Reflita sobre as razões que o levaram a concordar.

* Reflita sobre as razões que o levaram a discordar.

* Habitue-se a desenvolver argumentos que validem seu ponto de vista.

Solte-se

* Dê asas à sua imaginação.

* Fantasie.

* Brinque com as ideias que a leitura lhe traz.

* Deixe-se levar pelas palavras em viagens prazerosas.

Veja outras dicas desta série:

1) Forma & Conteúdo: a anatomia de um texto

2) A estrutura lógica de um texto

3) Vocabulário na ponta da língua

4) O inestimável apoio da pontuação

Anúncios

Forma & Conteúdo: a anatomia de um texto

  Para começar a conquistar desenvoltura na expressão por escrito, convém observar mais de perto este nosso objeto do desejo: o texto. Com esse propósito, nada melhor do que relaxar e brincar um pouco com as ideias. Que tal comparar o texto a um bombom?

Bombom8

  Tal qual um bombom, um texto (qualquer um) tem forma e conteúdo. No bombom, pode-se dizer que a forma corresponde à sua aparência ou, mais precisamente, à embalagem, enquanto o conteúdo fica por conta do recheio, do bombom em si.

  No texto, a “forma” também equivale à aparência. Quanto mais atraente, chamativa, bem feita, correta, apresentável etc. for a forma de um texto, mais chance terá de ser lido. Já o conteúdo –  o bombom em si – é a parte mais substanciosa do texto, pois traz a mensagem do autor, o que ele quer dizer aos seus leitores.

  Assim, se a FORMA de um texto equivale à embalagem de um bombom, ela necessariamente deve ter:

Lógica – o texto deve apresentar um começo, um meio e um fim facilmente identificáveis e compreensíveis.

Vocabulário adequado – o texto deve contar com palavras que expressem nossas ideias com a maior adequação e precisão possível.

Correção gramatical – o texto deve mostrar o cuidado que tomamos para escrever corretamente, tanto no nível da grafia e acentuação das palavras, quanto no da construção de frases.

Pontuação apropriada – o texto precisa indicar, por escrito, a gesticulação, a ênfase e as pausas da respiração que utilizaríamos se estivéssemos conversando.

Apresentação – o texto deve ter uma estética, um “formato” que se revele o mais apropriado para acomodar / embalar / enquadrar determinado conteúdo. (Exemplo? O “formato” didático  que escolhi para apresentar este texto.)

alfabetofenicio300

Se o CONTEÚDO equivale à mensagem do autor, à essência do texto, ele necessariamente deve ter:

Consistência – um texto consistente explora em profundidade o assunto que é a essência da mensagem, apresentando informações completas e confiáveis e argumentos bem desenvolvidos e convincentes.

Coerência – um texto coerente traz as ideias harmoniosamente encadeadas, de maneira a traçar uma linha de raciocínio objetiva e de fácil acompanhamento pelo leitor.

Fluência – um texto consistente e coerente “flui” agradavelmente, envolvendo o leitor e fazendo-o refletir a respeito do que está escrito.

  Diferentemente do bombom (pensando num bombom dentro de uma embalagem), contudo, não podemos separar a forma do conteúdo em um texto. Ambos estão intrinsecamente ligados: a forma serve à mensagem, assim como a mensagem preenche adequadamente a forma.

  Entender a anatomia de um texto é o primeiro passo em direção à conquista de uma maior desenvoltura para escrever.

  Sugestão para aproveitar melhor essa parte da viagem: analise alguns textos (prosa e poesia) sob o ponto de vista da forma e do conteúdo.

 

Não deixe de ver:

Redação em quatro etapas, uma miniaula para você!

A arte de virgular, para não errar na hora de colocar vírgulas em seus textos.

 

Os outros sentidos das palavras

Uma boa escolha de palavras, ou seja, a utilização de um vocabulário adequado (à mensagem e ao público ao qual a mensagem se destina), é de grande valia para o desenvolvimento de um texto claro, preciso, “colorido”, capaz de envolver, esclarecer e persuadir o leitor e de incentivá-lo a refletir.

Já vimos por aqui alguns recursos que nos permitem ampliar nosso vocabulário e usar, com inventividade, as palavras e os sentidos das palavras, visando estimular a imaginação do leitor.

Agora, vamos voltar às palavras, buscando observar outros de seus sentidos, ainda não revelados, que podemos aproveitar em benefício de nossos textos.

SENTIR AS PALAVRAS

A proposta é incentivar você a “sentir” as palavras, além de entendê-las. Isso porque as palavras podem “soar” ou ser percebidas de diferentes formas – alegres, animadas, duras, melancólicas… -, possibilitando sua utilização em outros, até então, insuspeitados sentidos.

Vamos experimentar?

Relacione quantas palavras quiser para cada uma das categorias a seguir, de acordo com o “som” ou a “sensação” que a palavra suscita em você.

QUENTES

MELANCÓLICAS

PERFUMADAS

RITMADAS

DELICADAS

DURAS

COLORIDAS

Exemplo:

Para a categoria Quentes, escolho, de acordo com a sensação que tenho ao ouvi-las ou ao escrevê-las, as seguintes palavras:

Vulcão

Camelo

Sangue

 

Espesso

Corpo

Para a categoria Duras:

Cortante

Grito

Tragédia

Ruptura

Perda

Para a categoria Perfumadas:

Morango

Jasmim

Sândalo

Aroma

Amanhecer

“SINTA” AS PALAVRAS,

PARA PODER TORNÁ-LAS

SUAS CÚMPLICES.

DEFINIÇÕES ENFÁTICAS

Agora que você “sentiu” as palavras de um outro jeito, tente aproveitar mais esse recurso para escrever definições para alguns conceitos (você tanto pode optar por uma definição literal – o que o conceito quer dizer -, como por uma definição pessoal, subjetiva – o que o conceito significa para você).

Em um ou em outro caso, procure usar palavras apropriadas, que “soem” de acordo com o sentido (literal ou subjetivo) do conceito.

Exemplo:

Vou definir o que a palavra Caos significa para mim (preferi o conceito subjetivo ao literal). Como o sentido dessa palavra me remete a algo áspero, duro, melancólico etc., vou procurar, ao escrever sobre o tema, utilizar palavras duras, melancólicas etc. Assim:

CAOS: Ruptura, explosão, tudo ruiu, nada restou. Talvez ainda sobre uma esperança: de que não haja vazio algum, de que a perda seja aparente, de que a luz esteja apenas escondida atrás da densa escuridão.

Observe como a escolha de palavras apropriadas (ruptura; explosão; tudo / nada; ruiu; restou; vazio; perda; aparente; apenas; escondida; densa; escuridão) valorizam, fazem vibrar, dão colorido ao teor (melancólico, áspero, duro) da mensagem.

AGORA É A SUA VEZ!

Defina cada um dos conceitos a seguir, utilizando as palavras apropriadas:

PLENITUDE

 

FRÁGIL

 

CAOS

 

ROTINA

 

SAUDADE

 

OUSADIA

 

FELICIDADE

 

Não deixe de ver também:

A ARTE DE VIRGULAR, um guia prático para o uso da vírgula.

Aquarela IV – Londrina

Dar a volta ao mundo

viajando com as palavras

que embora em casual harmonia

aqui afloram caóticas

AquarelaIV-Londrinapersiana200entrar no rodopio

criativamente planejado

de ruas bairros prédios

cujos nomes parecem setas indicativas

de alguma maluca agência de turismo

caminhar pelo jardim Piza

passando pelas ruas

Veneza Florença Gênova

nas quais se chega trafegando

pela avenida Inglaterra

em ordem geográfica incerta

chegar a Paris Toulouse Marselha

tomando fôlego na Milão

para desembarcar em QuebecAquarelaIV-Londrinavistapredioslago200

e logo a seguir em San Diego

San Isidro San Fernando

todos próximos da Califórnia

e do sempre enigmático Eldorado

descer em frente ao prédio Campos Elíseos

que não dista muito do Monte Carlo

no centro percorrer a Rio Grande do Sul

que logicamente desemboca

na Rio Grande do Norte

enquanto Paraná e Sergipe

fluem paralelas

e no letreiro do ônibus

AquarelaIV-Londrinavistageral200que deseja de acordo com o horário

Bom Dia  Boa Tarde  Boa Noite

surpreender-se com o itinerário:

Tóquio

mais um destino impossível possível

nesta cidade globalizada

pelas palavras

 

 

 

 

Ler e gostar, é só começar!

Quando lemos, por mais estranha que pareça esta afirmação, a conversa flui. O papo ocorre com a gente mesmo, com o autor, com os personagens, num agradável livre pensar. Isso é natural, pois refletimos sobre o que estamos lendo. Concordamos ou discordamos dos pontos de vista apresentados. Sentimo-nos estimulados a encontrar argumentos para reforçar ou refutar as ideias defendidas pelo escritor. Comparamos, mentalmente, a teoria descrita no livro com a prática que conhecemos.

 Mas essa conversa pode se transformar numa viagem quando soltamos as rédeas da imaginação. Como portas que se abrem para o desconhecido, os livros nos levam a lugares diferentes, nos apresentam a pessoas interessantes, nos mostram outros costumes, outros modos de pensar…

Além disso, a leitura mexe com as nossas emoções. Rimos ou choramos com as alegrias e tristezas experimentadas pelos personagens. Desabafamos ou nos consolamos quando vemos situações, parecidas com aquelas que já vivemos, retratadas de forma dramática ou cômica, romanceada, enfim, nas páginas de um livro.

A leitura ainda nos proporciona muito assunto para conversa, nos ensina palavras novas e nos mostra como escrever de forma correta. Ao se tornar um hábito prazeroso, coopera para que ampliemos e aprofundemos nossa visão de mundo, estimulando nosso contínuo aprimoramento.

 

Escritorjovem300O gostar de escrever

está diretamente associado

ao gostar de ler.

 

Olhe à sua volta, pergunte. Quem gosta de escrever (e escreve com certa desenvoltura) é, em geral, alguém que aprecia a leitura, que transformou a leitura em hábito prazeroso.

 

 

Para gostar de ler…

Comece pela escolha do assunto e não decida porque é preciso (obrigação – profissional ou acadêmica – não vale para estimular o prazer de ler). De qual assunto você gosta? Esporte, televisão, teatro, cinema, pesca, navegação, psicologia, história, física, música, viagens, pessoas famosas, autoajuda, paixões, mitologia, esoterismo etc. Essa é, literalmente, uma lista sem fim, mas com um fim subentendido, o de estimular a sua definição… Descobriu o que atiça sua curiosidade?

Então, o próximo passo é ir até uma livraria (ou a uma biblioteca, ou a um sebo…) e se surpreender com a variedade de livros – de ficção e não ficção – existentes sobre o assunto de seu interesse. Para decidir (por qual começar a ler), observe o tamanho do livro (um muito volumoso pode ser desestimulante no início); leia o resumo da obra (linhas gerais da proposta do autor), que, em geral, vem na contracapa e nas “orelhas” (abas da capa e contracapa) do livro; dê ainda uma espiada no primeiro capítulo do livro, para saber se o estilo (o jeito de escrever) do autor agrada você.

 

A partir daí, é só ler e… aproveitar!

   

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: