Prosa, poesia, conexões quânticas, dicas de redação e de leitura, comentários, reflexões… Palavras em infinito movimento!

Arquivo para a categoria ‘Uncategorized’

Millôr nele…

Arrogância 1

“Sua excelência chegou ao limite da ignorância

e, no entanto, prosseguiu.”

Millôr Fernandes

(1923-2012)

Arrogância 3

Numerologia para 2011, um ano que inspira mudanças

A vibração numerológica do ano de 2011 revela-se muito positiva e inspiradora, favorecendo as mudanças, a renovação e a concretização de sonhos e objetivos, em especial no campo profissional.

A configuração numérica do ano inicia-se com o 2 (ou 20, o 2 potencializado), que pode ser considerado a “sombra” do 11 que vem a seguir. Sob essa perspectiva, simboliza um movimento de libertação, que vai de uma situação mais densa, caracterizada por dificuldades e conflitos (a “sombra” do 11), para um período de revelação, de iluminação, trazendo evolução e progresso (características típicas do número 11).

Por outro lado, se analisarmos o 2 e o 11 como números estanques na combinação vibratória do ano, teremos também uma configuração muito positiva, uma vez que o 2 simboliza a diplomacia, a flexibilidade, a adaptabilidade e o 11, o idealismo, a inspiração e a espiritualidade, favorecendo a harmonia e as realizações com base no equilíbrio, no respeito e na gentileza.

Números e Tarô

No Tarô, o número 2 é representado por A Sacerdotisa, que valoriza a intuição, os conhecimentos ocultos e o equilíbrio interno, simbolizando igualmente a feminilidade, a fertilidade e os mistérios da vida. O 20 está associado à carta O Julgamento, cujo significado principal é a capacidade de transformação, renascimento, renovação. Já o 11 identifica A Força, representando a energia, a coragem, a força de vontade e o equilíbrio entre razão e instinto. Também nessa “leitura”, o ano de 2011 traz vibrações positivas, tendo o intuitivo e fértil feminino (2) somado à energia realizadora do masculino (11) para promover a renovação necessária (20).

O 13, como resultado da soma do 2 e do 11, confirma essa possibilidade vibratória do ano que se inicia. Tanto no Tarô (carta A Morte), quanto na numerologia, o 13 é associado à transformação, à libertação, às mudanças. É a projeção da vontade do 1 por meio do dinamismo criativo do 3, que acaba por formar um 4 transformador.

O número do ano

Chegamos, então, ao número do ano, o 4 (2+11=13/1+3=4), associado, na numerologia, à solidez, à atividade constante, à persistência nos esforços, à regularidade, ao método e à ordem. Também diz respeito à retidão, à honestidade e à paciência. Pelo Tarô, com a carta O Imperador, o número 4 traz à tona o princípio masculino que existe em cada um de nós, homens ou mulheres, dando consistência aos nossos ideais, definindo nossos códigos de ética e possibilitando a necessária estrutura interna para conseguirmos sobreviver no mundo.

Em uma avaliação mais ampla, é possível identificar, então, no ano de 2011, a inspiração vibratória para mudanças concretas em nossas vidas, que nos tragam mais estabilidade em todos os níveis da vida e que nos libertem das sombras confusas do passado, propiciando-nos um presente e futuro de mais luz.

Bem-vindo 2011!

Confirmações por outras “leituras”

No horóscopo chinês, o ano de 2011 está associado ao Coelho (o nome “coelho”, pela tabela numerológica, também é um 4), considerado o signo mais afortunado do zodíaco oriental, que simboliza a longevidade, a graciosidade, a bondade, a sensatez e a sensibilidade. Com o Coelho, teremos um ano de valorização da diplomacia e da busca pela paz. Os negócios, em geral, serão muito beneficiados e a principal inspiração, para cada um de nós, estará no desejo e na disposição de concretizar nossos sonhos.

Já de acordo com a astrologia, 2011 traz grande impulso para a expansão e para a mudança, principalmente no campo profissional, favorecendo a iniciativa e o empreendedorismo. Os astros  concordam, igualmente, que haverá muito espaço para a renovação, estimulando-nos a sair da inércia e do pensamento conformista. Bem ao estilo do número 11, a ousadia, a originalidade e o vanguardismo, também de acordo com a astrologia, estarão em alta no decorrer do ano todo.

Você e o ano 2011

Vale a pena investigar o número representativo do seu nome (veja a tabela a seguir), para somar com o número representativo de 2011 (número 4) e obter, assim, a vibração que sinaliza o sentido principal da mudança inspirada por este novo ano em sua vida.

Faça seu cálculo

Para calcular  seu número pessoal, utilize o nome que consta de seu registro de nascimento. Veja como:

Exemplo

Nome (fictício) – Clara das Neves Luz

Convertendo as letras em números pela tabela acima

(3+3+1+9+1) + (4+1+1) + (5+5+4+5+1) + (3+3+8)  =  (17 = 1+7)  + (6) +  (20 = 2+0)  +  (14 = 1+4)  =  8+6+2+5  =  21 =  2+1  =  3

Assim, o número pessoal de Clara é o 3.

Lembre-se: O número 11 é irredutível, ou seja, não é preciso somar 1+1. O único “número de origem” considerado válido para obtenção do 2, portanto, é o 20 (2+0 = 2).

Se, com a soma, o número final obtido for o 10, considera-se como válido o número 1 (o 10, na verdade, é o 1 potencializado). Da mesma forma, os demais resultados terminados em zero (20, 30, 40 etc.).

Direção da mudança

Para saber o principal rumo de sua mudança, renovação ou superação inspirada pela vibração numérica de 2011, some o seu número pessoal (obtido da forma exemplificada acima) com o número 4 (de 2011).

Exemplo

No caso de Clara, ela somaria o 3 (seu número pessoal) ao número de 2011, o 4:  3+4 = 7

A direção da mudança, inspirada pelo ano de 2011, seria dada, no caso de Clara, pelo número 7.

Confira, na relação a seguir, o seu resultado:

1 – Os “ventos” de 2011 convidam-no(a) a se soltar e a “embarcar” na conquista de seus objetivos, acolhendo com alegria seu anseio de obter progresso constante. Novas oportunidades à vista geram muita atividade e possibilidade de independência. A força, a coragem e a capacidade de alcançar o sucesso em pensamento, palavra e ação serão alguns dos recursos disponíveis para fazer a “travessia” deste ano inspirador.

2 (origem 20) – O convite de 2011 para você é deixar o passado no passado, preparando-se para viver o presente com mais tranquilidade e prazer. O principal recurso para avançar nesse sentido será exercitar – fortalecendo a confiança em si mesmo(a) e na vida – a flexibilidade, a paciência e a gentileza. Os resultados tenderão a vir na forma de um conhecimento sereno, da valorização da intuição e da expansão de sua sociabilidade, gerando mais alegria de viver e otimismo.

3 – O movimento proposto por 2011 para você segue na direção da ampliação da criatividade, da alegria interior, da vontade de se expressar por meio da comunicação e da arte. Muitas ideias virão, estimulando o desenvolvimento e o progresso. Casamento e filhos são outras possibilidades do caminho. Com tanta inspiração e criatividade no ar, convém manter os pés no chão, para que seus anseios possam se realizar concretamente.

4 – O momento, de acordo com a inspiração de 2011 para você, é de “pôr ordem na casa”, no sentido interno e externo. Haverá energia para organizar e paciência e persistência para levar à frente os empreendimentos. Aproveite para fortalecer sua autoconfiança, firmeza de propósitos e capacidade de realização, recursos que podem levá-lo(a) a conquistar estabilidade, a abrir um negócio ou reestruturá-lo e a estabelecer vínculos familiares, como um casamento.

5 – A direção é a do progresso, da evolução, movimentados por um desejo maior de independência e pela vontade de estabelecer uma relação mais estreita com sua intuição e sabedoria interna. Recursos como criatividade, versatilidade e ousadia serão importantes para “navegar” por 2011. Há muita vitalidade para a ação e disposição para viagens. No horizonte, a inspirá-lo(a), está o anseio por um profundo comprometimento em relação ao sentido da vida.

6 – 2011 inspira você a se movimentar em direção à conciliação, à harmonia familiar e à estabilidade. Cultivar a afetividade e a alegria de viver é o melhor recurso para entrar em sintonia com a vibração do período, que estimula o fortalecimento da autoestima e da confiança em si mesmo(a) e na vida. Com a energia amorosa em alta, a tendência, caso esteja sozinho(a), é de iniciar um romance. Bom momento para desenvolver os dotes artísticos e enfrentar provas e exames.

7 – Eventuais perturbações e adversidades ficam para trás. Possibilidade de grande progresso, como consequência de vitória interior. Alcançar o sucesso depende de manter em equilíbrio e colocar efetivamente em ação as forças físicas e mentais. Intuição mais aflorada ajuda a clarear o caminho a seguir. 2011 é todo estímulo para a imaginação, para a criação, para a ampliação da sabedoria e para um aprofundamento da espiritualidade.

8 – O movimento inspirado na vibração de 2011 leva você na direção da conquista de seus objetivos e da prosperidade. A sintonia com o sucesso fica ainda melhor com o fortalecimento da confiança em si mesmo(a), especialmente em sua capacidade de realizar um trabalho organizado e eficiente. Assuntos relacionados ao mundo material fluirão com mais facilidade à medida que cultivar a afetividade e o prazer de viver. Contratos e definição de acordos devem estar presentes em 2011.

9 – O impulso de mudança direciona-o(a) no sentido da abertura para o outro, para a comunidade, para o mundo. Muito dinamismo, levando ao desenvolvimento e à evolução. Muita energia e criatividade, favorecendo a renovação interna, o fechamento de ciclos e a colaboração em causas voltadas para o bem comum. Grande oportunidade para fortalecer a personalidade e para exercitar a tolerância, a compaixão e a solidariedade. Período de muito carisma.

11 – A vibração de 2011 inspira-o(a) para a ação e para a realização concreta de objetivos e sonhos. A força interior estimula-o(a) a se libertar de conflitos íntimos. Muita energia estará disponível para trabalhos criativos e originais. Mente, corpo e espírito em equilíbrio favorecem o fortalecimento da autoestima, da confiança em si mesmo(a), ajudando-o(a) a definir com mais clareza sua própria identidade e a conquistar seu espaço no mundo. Visão de vanguarda. Sintonia com a nova era.

Sua palavra-chave em 2011

Mudanças dão medo. O novo, o ainda não experimentado parecem assustadores, justamente porque são assim, desconhecidos. Se, em 2011, a vibração inspira renovações, o melhor, então, é saber onde podemos encontrar forças e uma constante fonte de equilíbrio para acolher as mudanças em nossas vidas e seguir em frente, com mais satisfação pessoal e autoconfiança.

Saiba aqui, fazendo uma outra soma, agora a partir de sua data de nascimento, qual é a sua palavra-chave em 2011.

Exemplo:

Clara das Neves Luz nasceu em 2/12/1990. Para saber o número de sua palavra-chave em 2011, ela deve somar o resultado da soma dos números de sua data de nascimento completa –  (2) + (1+2) + (1+9+9+0)   =  2 + 3 + 19 (1+9 = 10 = 1+0 = 1) = 2+3+1 = 6 –  com o 4 (número de 2011). Assim: 6+4 = 10/1.

O número da palavra-chave de Clara em 2011 é, portanto, o 1.

Confira a sua palavra-chave:

1 – Assertividade

2 – Conciliação

3 – Criatividade

4Determinação

5Ousadia

6 Amor

7Espiritualidade

8Iniciativa

9Colaboração

11Conscientização

 

As descobertas que levaram a uma nova visão de mundo

Há um século os cientistas vêm descobrindo novos aspectos da realidade e colocando de ponta-cabeça o universo que aprendemos a conhecer tanto como mecânico e previsível, quanto governado por leis rígidas e imutáveis. Einstein, com sua Teoria da Relatividade, e Planck, com seu estudo sobre o quantum,  são considerados os iniciadores,  ainda no alvorecer do século XX, dessa assombrosa mudança. Faça agora um passeio pelos principais pressupostos científicos da Física Quântica:

Fractal6

Teoria da Relatividade

A teoria desenvolvida pelo físico alemão Albert Einstein sustenta a noção de que não há movimentos absolutos no Universo, apenas relativos. Qualquer movimento é relativo a algum sistema de referência escolhido (para conveniência de quem está estudando o movimento). Sob essa perspectiva, o espaço e o tempo desaparecem como entidades independentes e são substituídos pelo conceito espaço-tempo. Einstein também definiu a inter-relação existente entre massa e energia, traduzida na equação: E = mc² ou Energia (E) é igual à massa (m), multiplicada pelo quadrado da luz  (c²).

Fractal1

Teoria Quântica

O físico alemão Max Planck é considerado o pai da teoria quântica. Seu objeto de estudo foi o mundo microscópico, dos elétrons e das partículas subatômicas, buscando encontrar resposta para uma pergunta em especial: se a matéria é feita de átomos, por que a energia não seria? Nasceu assim a Teoria do Quantum, que descreve a troca de energia entre corpos ou como os elétrons absorvem e emitem energia radiante. Segundo Planck, essa transmissão seria feita por saltos, na transição de uma órbita  para a outra, pois, ao absorver energia, o eletrón saltaria para uma órbita mais externa (conceito quantum) e, ao emiti-la, passaria para outra mais interna (conceito fóton).

Fractal5

Teoria da Dualidade: Partículas e Ondas

Por uma combinação muito simples da fórmula de Einstein, que relacionava massa e energia, com a de Planck, que relacionava frequência e energia, o físico francês De Broglie demonstrou que o elétron não era apenas uma partícula, mas uma forma de onda. A idéia de que a matéria não passava de um aspecto da energia e de que ambas eram interconvertíveis tornou-se mais evidente quando se pôde ver que partículas eram sempre semelhantes a ondas, e ondas sempre semelhantes a partículas. Massa e energia passaram a significar a mesma coisa.

Fractal2

Princípio da Onda Estacionária – um novo modelo de átomo

O físico austríaco Erwin Schrödinger acreditou que o modelo de átomo proposto pelo dinamarquês Niels Bohr podia ser modificado, levando-se em conta essas ondas. Elaborou, assim, a teoria segundo a qual o elétron não evoluía em torno de um núcleo, mas era apenas uma onda estacionária constante formada em torno dele.

Fractal4

Princípio das Probabilidades

O físico alemão Max Born percebeu que a função de onda deveria ser interpretada em termos de probabilidades. Quando os físicos experimentais medem a posição de um elétron, a probabilidade de encontrá-lo em uma região determinada depende da magnitude da função de onda nessa região. Essa interpretação concedia ao acaso um papel fundamental nas leis da natureza.

Fractal3

Princípio de Complementaridade

A representação de um elétron ao mesmo tempo como partícula e como onda levou o físico Niels Bohr a observar que um fenômeno pode ser encarado de duas maneiras que se excluem mutuamente, permanecendo válidas, em seus próprios termos, as duas maneiras de considerá-lo.

Fractal7

Princípio da Incerteza

Deve-se ao físico alemão Werner Karl Heisenberg a constatação de que é impossível fazer uma determinação exata e simultânea da posição e do momento (produto da massa pela velocidade) de qualquer corpo. Quanto mais exata for uma, mais falsa será a outra. Em consequência disso, caiu por terra a visão puramente determinística do astrônomo e matemático francês Laplace, que sustentava que toda a história do universo, passada e futura, podia ser calculada se a posição e a velocidade de cada uma de suas partículas fosse conhecida a qualquer instante do tempo.

Modernamente, com base em estudos cada vez mais aprofundados, essas descobertas estão ganhando contornos de Leis Quânticas. Veja as mais comentadas:

Superposition / Superposição

As partículas podem estar em vários lugares ao mesmo tempo.

Wave – Particle Duality / Dualidade Onda – Partícula

As partículas podem se comportar como ondas, espalhando-se no espaço e no tempo.

Entanglement / Entrelaçamento

As partículas podem estar interligadas a grandes distâncias.

Bose – Einstein Condensates / Condensados Bose – Einstein

As partículas podem estar unificadas em um grande estado (de energia/matéria), regidos por uma função de onda.

Fractal8

Colapso da função de onda

Aqui se revela o mais estranho comportamento dos elementos quânticos. Quando observados, os elétrons só apresentam a função ou o comportamento de partículas.  Como tenta explicar o professor de Física Amit Goswami, da Universidade de Oregon, EUA (no documentário “Quem Somos Nós” 2): “Quando não se está olhando, existem ondas de possibilidades. Quando se está olhando, existem partículas de experiência.”

Entenda o que era e o que está mudando, a partir das contribuições da Física Quântica ao nosso viver cotidiano:

FisTerraeestrelas

Visão de mundo que

prevalece até hoje

  • Materialista, mecanicista e determinística.
  • Dividida: a Igreja fica com o invisível, o que é oculto: a Ciência, com o que é visível e, portanto, pode ser quantificado, medido e experimentado.
  • Pré-determinada: os homens são como pequenas máquinas, operando em um universo mecânico e previsível, governado por leis rígidas e imutáveis.
  • Símbolo da ordem do mundo: o relógio (de acordo com a compreensão determinística do astrônomo e matemático francês Laplace, ao sustentar que toda a história do universo, passada e futura, podia ser calculada se a posição e a velocidade de cada uma de suas partículas fosse conhecida a qualquer instante do tempo – tese derrotada pela Física Quântica, com o Princípio da Incerteza, formulado por Heisenberg).
  • Frase que explica: A ordem é redundante.

FisTerraeestrelas3

Nova visão de mundo

  • A matéria é apenas um aspecto da energia.
  • Não há como separar o visível do invisível, uma vez que somos campos de energia operando em um campo de energia ainda maior.
  • Nossa consciência, nossos pensamentos e intenções definem a realidade que queremos viver.
  • Estamos todos interconectados em inúmeros sistemas superpostos, que se influenciam uns aos outros.
  • A realidade é feita de tendências potenciais.
  • O caos é aparente porque existem padrões de diferentes níveis de complexidade a “organizá-lo” (os fractais, por exemplo).
  • Símbolo do caos do mundo: Efeito Borboleta (não se pode determinar a maioria dos sistemas por causa da chamada “dependência sensível das condições iniciais”. Usando como exemplo um sistema metereológico, uma pequena borboleta, batendo as asas na Amazônia, poderia causar um tornado no Texas).
  • Frase que explica: O caos é informativo.

O que dizem os números sobre Barack Obama

Os números parecem ser muito importantes. A matemática, de acordo com o físico, astrônomo e filósofo italiano Galileu Galilei (1564-1642)  seria “o alfabeto com o qual Deus escreveu o universo”. Para o filósofo grego Pitágoras (570 a.C.– 497 a.C.), o número seria sinônimo de harmonia e essência das coisas. No mundo moderno, números configurados em um código binário (zero e um) são fundamentais em nossa vida, já que compõem a estrutura lógica do mais extraordinário bem de consumo da atualidade, o computador.

A Numerologia estuda justamente esses números tão poderosos e sua influência em nosso jeito de ser. Faz isso descobrindo, basicamente, as vibrações numéricas correspondentes ao nosso nome original (com que fomos registrados), à nossa data de nascimento e, eventualmente, se for relevante em nosso histórico de vida, ao nome com que somos mais conhecidos ou que usamos como assinatura profissional. Essa é a avaliação básica da Numerologia, mas que já oferece um quadro geral muito interessante para análise.

BARACK-hope-POSTER-OK

Sob esse prisma, vamos conhecer um pouco mais sobre Barack Obama, e ter uma ideia do que podemos esperar dele. Será que a palavra hope (esperança), transformada em ícone de sua campanha à presidência dos EUA, é de fato um bom augúrio? Que nos respondam os números:

Barack – que significa “o abençoado” em árabe – Hussein Obama Jr., o 44° presidente dos Estados Unidos, nasceu em 4 de agosto de 1961, sob a vibração do complexo, fascinante e instigante número 11, resultado obtido tanto pela soma dos valores numéricos das letras que compõem seu nome de batismo, como pela soma dos números de sua data de nascimento.

Sabe-se que os que recebem a influência do 11 tendem a estar sempre à frente, buscando antecipar as tendências do futuro. Essa vibração remete à modernidade, à originalidade e ao exotismo. Da mesma forma que corresponde a grande inspiração, a forte intuição e a idealismo. É um número associado à Nova Era, a Urano e a Aquário. Por isso, reconhecidamente evolutivo e progressista, destinado a estimular, naqueles sob sua proteção, o potencial para exercer grande influência no ambiente.

O fascinante histórico de vida de Obama parece referendar o que a vibração do 11 augurava em seu nome de nascimento, em especial as características relacionadas ao exotismo, marcante em sua infância; à inspiração e ao idealismo, que orientaram suas escolhas vocacionais, voltadas basicamente para o social e para a política.

Barack Obama nasceu em Honolulu, Havaí (EUA), de pai negro queniano (filho de um pastor de cabras) e de mãe branca norte-americana (nascida no Kansas e filha de um veterano da 2ª Guerra Mundial), que se conheceram quando frequentavam a universidade do Havaí. O casal se separou quando Obama tinha dois anos de idade. O pai retornou ao Quênia, tornando-se um economista de renome em seu país de origem (veio a falecer em 1982, vítima de acidente automobilístico). A mãe casou-se de novo e mudou-se com o filho para a casa do segundo marido, na Indonésia.Com 10 anos, Obama voltou ao Havaí, sendo criado por seus avós até que sua mãe retornasse aos EUA depois de mais um divórcio.

Em 1996 teria início sua carreira pública, com a conquista de uma cadeira no Senado estadual do Illinois, usando o nome com que efetivamente se tornou conhecido, Barack Obama, cuja soma (das letras que formam o nome) resulta em 5.  O 11 naturalmente não foi esquecido, apenas passou a ser seu background, sua base, especialmente porque também é o resultado da soma de sua data de nascimento e, nesse sentido, equivale à sua missão de vida. A vibração do 5, no entanto, passou a predominar, levando-o em sua escalada política.

Parece fazer sentido a influência deste número, porque, entre outras características, a vibração do 5 costuma trazer um grande sentido de liberdade,  de independência e até mesmo de rebeldia em quem está sob sua influência. Estimula a curiosidade, o gosto pela aventura e uma visão de mundo voltada para o progresso. Por outro lado, a percepção sensorial, característica dessa vibração, costuma trazer muita sensualidade e grande poder de sedução. Mente rápida, criatividade e versatilidade parecem ser, igualmente, diferenciais nas personalidades associadas ao 5, assim como a tendência para a falta de disciplina e o apreço por novas experiências.

Já a origem  32, do 5 de Barack Obama, estimula a facilidade para a comunicação, o poder de persuasão e a ambição por posições de liderança. O 3 e o 2 formam uma combinação harmoniosa, que costuma trazer simpatia, flexibilidade e generosidade àqueles sob sua influência, além de favorecer o amadurecimento e a elevação de propósitos. Contudo, pode provocar igualmente certa tendência à manipulação.

Obama venceu a eleição presidencial em  4 de novembro de 2008, aos 47 anos. Ao todo, sua campanha levantou US$ 650 milhões, contando as primárias e a disputa presidencial. Só em setembro de 2008 foram US$ 150 milhões. Doadores individuais responsabilizaram-se por 91% dos recursos. Boa parte das verbas de campanha de Barack Obama foi conseguida por meio da ajuda de celebridades, como Steven Spielberg e Oprah Winfrey, que promoveram eventos com ingressos vendidos a US$ 2.300 por pessoa (isso é o máximo, por lei, que um indivíduo pode doar para uma campanha eleitoral nos EUA).

O que esperar de Obama? Tendo a vibração do 11 a apoiá-lo e a do 5 a gerar estímulo para o seu cotidiano, podemos aguardar muita ousadia em sua atuação, além de entusiasmo e iniciativa para buscar as soluções mais criativas para cada tipo de problema, visando o benefício social. Uma combinação promissora, revelada pelos números, que ele pode usar ou não, dependendo de seu livre arbítrio. Se usada, atendendo à responsabilidade que lhe foi outorgada, com certeza referendará a palavra  esperança, associada ao seu nome.

Curiosidade – Barack Obama também tem blog: http://my.barackobama.com/page/content/hqblog

Impressos X internet na comunicação empresarial

impressosxinternet

Houve um tempo em que os impressos dominavam o mundo, e funcionavam muito bem. Só que dependiam de muitas etapas para se concretizarem – redação, diagramação, impressão, distribuição… Ao fim de todas elas, as notícias alcançavam os públicos de interesse, cumprindo eficazmente o objetivo de informar, orientar e esclarecer, o principal propósito das publicações corporativas, mas chegavam “frias”. Não eram mais novidade.

A notícia “quente” já teria sido divulgada, em tempo mais próximo do real, pela imprensa, pelos canais de relações públicas e propaganda, ou mesmo, se fosse o caso, por intermédio de um memorando interno.

No século XXI, a comunicação com os públicos de interesse continua tão imprescindível quanto sempre foi. Contudo, em relação aos recursos, quanta diferença…

Primeira e grande diferença: comunicação em tempo real, seja para públicos de interesse, para a imprensa ou para o público interno. Segunda: custos substancialmente reduzidos, com a utilização de recursos disponíveis na rede. Terceira: redução de quantidade e de complexidade das etapas de produção da comunicação, com a consequente diminuição de erros no processo. Quarta: quantificação de retorno da comunicação, com o apoio de instrumentos disponíveis na internet. Quinta: interatividade, significando comunicar, obter retorno e poder esclarecer, informar mais, orientar e cativar o cliente, efetivo ou potencial.

Para as empresa, os meios atuais de se relacionar com seus públicos de interesse são os próprios sites, blogs corporativos, newsletters eletrônicas, redes sociais… Informação em tempo real, baixo investimento, simplicidade na produção da comunicação, quantificação precisa do retorno obtido e interatividade.

Blogs corporativos

Conhecido como a “newsletter dos tempos modernos”, o blog surgiu por volta de 1997 e sua denominação foi cunhada pelo norte-americano John Berger, originando-se da união dos termos web (rede) e log (diário, arquivo, registro de atividades) – weblog –,  logo reduzida para blog, a partir da criativa brincadeira de um internauta, que desmembrou o termo original, transformando-o em “we blog” (nós blogamos).

O início da “onda” dos blogs ocorreu em 2000. Sete anos depois, somavam 100 milhões e, em 2008, com 1,5 bilhão de internautas contabilizados em todo o mundo, segundo a União Internacional de Telecomunicações (UIT), calcula-se que metade deles acesse regularmente blogs.

Para as empresas, os blogs acabaram por se revelar uma excelente ferramenta de relações públicas, ajudando a fortalecer o relacionamento da organização com seus públicos de interesse estratégico – de funcionários, clientes e parceiros a mídia e consumidores em geral – e cooperando para destacá-la nos rankings de busca da rede (Google, Yahoo! etc.). E, como vimos anteriormente, com muito mais vantagens em relação às publicações impressas – como interatividade, informação em tempo real e baixo custo.

O que poderia ser melhor? Por enquanto é isso, mas, com certeza, outras novidades surgirão. Afinal, “navegar é preciso…” e não  sabemos o que mais vamos encontrar pela frente! 

____________________________________________________________________________________________

Informática para a terceira idade

O avanço tecnológico aconteceu muito rápido. Por isso, a geração mais velha às vezes se sente um pouco intimidada diante de um computador e das muitas maravilhas possibilitadas pela internet. Agora, no entanto, isso não é mais problema,  basta fazer um curso personalizado de informática (aulas particulares) com a Professora Berenice. Clique aqui para saber mais.

Que tal dar uma espiadinha lá fora?

Caverna360difusaoImagine-se vivendo em uma caverna, onde prospera uma comunidade que acredita ser o mundo apenas aquele definido pelos limites estreitos de seu abrigo, um lugar desconfortável, mas seguro, pela perspectiva da continuidade.

Imagine-se, agora, como alguém curioso, um pouco rebelde, que não acredita que a realidade se esgote apenas no que vê. Alguém para quem parece haver mais, no invisível, no impalpável, no que apenas se sente ou se percebe pela intuição.

Aquelas réstias de luz, que passam sorrateiras por alguns orifícios da caverna, e que até então não haviam sido explicadas por ninguém, sugerem novas e atraentes possibilidades. Por que não tentar, por que não experimentar?

Movido por essa vontade de conhecer, você vai, com muita paciência e por um longo tempo, alargando essas frestas, até que consegue sair da caverna. Primeiro, fica quase cego pela luz. Depois, quando seus olhos se acostumam à claridade, às formas, às cores, à imensidão, você se maravilha.

 

Essa mesma sensação de encantamento vem sendo compartilhada por quem começa a entender as implicações, em seu cotidiano, de um conjunto de descobertas científicas feitas ao longo do século XX e que possibilitaram o nascimento da Física Quântica, também chamada, dada a abertura de conhecimentos que trouxe, de Nova Ciência.

 

Num salto, que levou 100 anos para se completar, o determinismo, o mecanicismo e o materialismo, que caracterizavam a ciência até então, foram relegados a explicar apenas parte – o que se pode ver, medir, quantificar, determinar – de um todo muito maior.

 

Começando com as Teorias da Relatividade e Quântica, passando por descobertas muito estranhas sobre o comportamento das partículas componentes do átomo e chegando à impossibilidade da determinação exata e simultânea da posição e velocidade de um corpo, registrada no Princípio da Incerteza, os cientistas ficaram espantados. Onde esperavam encontrar respostas definitivas, acabaram deparando com explicações intrigantes, que levaram não mais a outras perguntas, mas a reflexões filosóficas.

 BigBenLondres190

Afinal, constataram, tudo parece ser energia e a matéria – nossa realidade visível – retrata somente um de seus aspectos potenciais. Outro fator desconcertante foi observar que a regularidade cronológica a que estávamos acostumados – com passado, presente e futuro bem definidos em segundos, minutos e horas escoando em um único sentido – funcionava muito bem sob o ponto de vista do relógio – até então, a representação mais perfeita do padrão de previsibilidade do universo. Mas explicava apenas uma pequena parte dos fatos, sob o ponto de vista da relatividade.

 

O tempo revelou-se tão mais amplo que foi preciso reconsiderá-lo como uma quarta dimensão, e alargar nossa visão para além do restrito traçado espacial  – onde comprimento, largura e altura são passíveis de dimensionamento –, abarcando assim o abstrato conceito do contínuo espaço-tempo, em que não há uma rígida precisão cronológica, mas apenas um fluir por ondas de eventos.

 

Mas foi no microcosmo dos elementos atômicos – componentes essenciais do tecido formador da realidade em que vivemos – que as surpresas se sucederam vertiginosamente. Além de constatarem que eram os elétrons os responsáveis pela transmissão da energia entre os átomos (por meio de minúsculos “pacotes” energéticos, denominados “quanta” ou “quantum”, no singular, daí o nome Quântica), os cientistas deram-se conta do estranho comportamento das partículas – os microscópicos “pontos” de matéria que compõem a estrutura do átomo.

 

Neste mundo fundamental para a nossa existência, já que somos feitos, em essência, de somatória de átomos, os cientistas verificaram que as partículas estão entrelaçadas, interligadas, mesmo a grandes distâncias. Observaram ainda que as partículas podem se comportar, simultaneamente, como ondas (ondas de energia é o que se supõe), e estar superpostas em vários lugares ao mesmo tempo.

 Eletronscomputadordif

Essa constatação abriria espaço para a suposição de existência de mais de uma “realidade”, além daquela com a qual estamos acostumados a nos relacionar por meio de nossos sentidos. Tanto no nível macro, do universo, levando-nos a imaginar a possibilidade de outras dimensões; quanto no nível micro, do nosso cotidiano, com a idéia de que existiriam potenciais de realidade a explorar ou, dito de outra forma, os eventos em nossas vidas não estariam predestinados a ocorrer, mas teriam tendência a ocorrer.

 

A descoberta seguinte, no nível das partículas, permitiria entender melhor o aparente enigma anterior. Ao fazer experiências com os elementos atômicos, buscando detectar quando agiam como partículas e quando se comportavam como ondas, os estudiosos foram surpreendidos – mais uma vez – com a comprovação de que só dependia deles obter um ou outro resultado.

 

Verificaram que a natureza do comportamento dos elementos atômicos se estabelecia pela expectativa expressa do observador. Onde se esperava encontrar partículas, lá estavam elas; onde se esperava encontrar ondas, também lá estavam elas. Era como se o esperado se refletisse na experiência ou, explicado de outra maneira, não existiriam propriedades objetivas na realidade, independentes da mente do observador. A esse “fenômeno” foi dado o nome de “colapso da função de onda”.

 

De tão inovador e assustador o conceito, já que exigiria uma mudança completa de nossa forma de ver o mundo, os cientistas preferiram deixar para pensar a respeito “depois” e agir de forma pragmática. Varreram a reflexão filosófica para debaixo do tapete e seguiram um dito muito popular em seu meio: “Cale-se e calcule”.

 

E foi assim, com base em muitos cálculos, que todas essas descobertas puderam ser aplicadas ao concreto do dia-a-dia, trazendo um grande avanço tecnológico. Dos transístores aos chips, passando pelos semicondutores, o desvendamento do microcosmo atômico possibilitou a revolução digital que estamos vivendo: carros com injeção eletrônica, calculadoras, relógios digitais, controle remoto, celulares, aparelhos de fax, equipamentos médicos, robôs, videocassetes, rádio-relógios, impressoras, computadores…

 ComputadorquanticoOrionDWave190

No horizonte já se delineia, inclusive, a computação quântica, que vai se valer da manipulação de átomos, moléculas e suas partículas subatômicas para processar informações. A eletrônica molecular ou “moletronics”, como está sendo chamada, prevê o desenvolvimento de superchips do tamanho de grãos de areia e até cem bilhões de vezes mais rápidos do que o mais rápido processador do momento.

 

Mas será que vamos nos contentar com isso? Fazer cálculos e aplicá-los na tecnologia ? Esquecer que essas descobertas estão tentando nos mostrar que há mais do que matéria? Que o que não se vê, não se pega, não se mede, nem se quantifica, pode nos explicar melhor o que é a vida? Que não estamos à parte do todo, mas que somos parte do todo e, por isso, interconectados uns com os outros em uma grande rede de energia? Que o mundo pode ser melhor, desde que nos disponhamos a viver a mais positiva das realidades disponíveis? Que não estamos sujeitos ao acaso, mas comandamos nossas próprias vidas, definindo as experiências que queremos ter?

 

Sair da caverna não é fácil, mas o novo mundo que nos espera lá fora bem compensa a coragem e o esforço necessários para, pelo menos, dar uma espiadinha.

Tempos modernos… Bip!

Hoje tudo começa ou continua ou se expressa por meio de barras numéricas. Um bip contido e pronto. Parece mágica e aparece na tela o preço da peça. Menos dinheiro no bolso, mas quanta rapidez, presteza. Depressa.

Depois, vêm os outros caixas, com os quais se conversa intimamente, olho no olho, eletrônico. Não erre, não pense, não esqueça. Seja tão automático quanto o relacionamento. Lembre-se da senha…bip…e dos dados…bip, bip…que asseguram que aquela combinação numérica é a correta.

Memorize, não escreva, não deixe jamais que alguém veja a sua senha, senhas, pois há muitas, em demasia, no seu caminho já sem pedras, mas repleto de chips supersônicos.

Se há muitas, não as repita, não facilite, seja criativo e, por favor, nunca, jamais, se confunda. Esse mundo clean, de números exatos, exige muito. Data de nascimento, essa é fácil! Carteira de identidade, esse é pequeno, comparado ao do CPF, aquele do contribuinte…bip, bip…controlado.

Na internet, cuidado, use com cautela cartões de crédito, de débito, boletos bancários. São muitos os números a afogá-lo, podem ser clonados, copiados, podem deixá-lo louco ou, simplesmente, endividado.

E ao telefone, costumeiramente amigável, memorize outros números, que lhe dão acesso aos recados, esclarecimentos, soluções, e não se envergonhe de responder, por um lapso de sua educação à moda antiga, ao cumprimento da atendente eletrônica que, além de não corresponder à sua cordialidade démodé, vai colocá-lo em contato com outra imensa, infinita, imemorável carreira de números. Acesse 1 para…, 2 para… e assim vai, num crescendo de expectativa, pois nem sempre naquela lista está o que se precisa. Às vezes, no fim do túnel desses tempos modernos, encontra-se, como água no deserto, uma possibilidade de voz humana: “Acesse o 9 para falar com um de nossos atendentes…”. Então…bip, bip…aguarde.

Antes disso, porém, você precisará ter se lembrado de sua senha, ter teclado certo todos os números existentes em seu cartão de plástico e, talvez, os do RG e CPF, para, quando for atendido, por medida de segurança, lembrar a data de seu aniversário e remoer seu passado, trazendo à tona o nome do pai, da mãe e de um espírito que precisa ser santo, para se recuperar ileso de tanto martírio – pelo menos, eis a compensação – contemporâneo, na moda, absolutamente fashion!

 

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: