Prosa, poesia, conexões quânticas, dicas de redação e de leitura, comentários, reflexões… Palavras em infinito movimento!

Para conquistar desenvoltura na redação, nada melhor do que exercitar a mente. Nesse sentido, resolver aparentes  “enigmas” pode se revelar um ótimo começo.

A proposta é trabalhar com paradoxos – afirmações que trazem em si um antagonismo, uma contradição de ideias. Por ser como são, mostram-se extremamente estimulantes para o pensar. Frente a um deles, ficamos intrigados e motivados a tentar desvendar o ponto de vista que tão bem encobrem.

Exercite-se e divirta-se, seguindo os passos adiante:

  • Considere cada um dos paradoxos, relacionados abaixo, um enigma, um mistério, que você vai tentar desvendar por escrito.
  • Leia, reflita e “pince” as ideias contraditórias que cada um deles traz.
  • A partir da descoberta dessas ideias contraditórias, tente encontrar, em suas referências pessoais, comparações que possam sustentar esse antagonismo, ou seja, que o expliquem, que o façam ter sentido para você.
  • Encontrada uma referência, que desvende a aparente contradição, pergunte-se se você concorda, ou não, com a afirmação contida no paradoxo.
  • Escreva as razões que o levaram a chegar a essa conclusão (concordar ou não).

SÓ O EFÊMERO TEM VALOR DURADOURO.

Ionesco / Teatrólogo


A ARTE É UMA MENTIRA

QUE FAZ A GENTE CAPTAR A VERDADE.

Picasso / Pintor


AQUI TODAS AS NORMAS PODEM SER DESOBEDECIDAS,

MENOS ESTA.

(Paradoxos citados em “Um Toc na Cuca” / Livraria Cultura Editora)


Exemplo de uma abordagem

  • Vou tentar desvendar o seguinte paradoxo:

O POUCO QUE SEI, DEVO À MINHA IGNORÂNCIA.

  • Leio, reflito e “pinço” as ideias contraditórias:

1)  Como a ignorância – que é um “não saber” – pode me levar a saber alguma coisa, mesmo que pouco?;

2)  Se sei pouco, como posso me vangloriar da minha ignorância, como se ela tivesse sido um estímulo?

Observe que procuro, ao “pinçar” as ideias contraditórias, explorar a afirmação por diferentes ângulos, para tentar entendê-la; e esses diferentes ângulos se definem a partir das minhas referências pessoais, ou seja, outra pessoa, ao analisar o mesmo paradoxo, poderia seguir por caminhos diversos daqueles que escolhi; e ambos estaríamos certos, cada um com a sua verdade, com o seu nível de entendimento.

  • Dos dois ângulos de abordagem que escolhi para analisar o paradoxo, faz mais sentido para mim o primeiro: como a ignorância – que é um “não saber” – pode me levar a saber alguma coisa, mesmo que pouco?
  • Procuro, então, entender essa contradição a partir de alguma comparação, de uma linha de raciocínio, tal como: se não sei determinado assunto e aceito, com humildade, essa condição, a tomada de consciência sobre minha ignorância torna-se um estímulo para que eu deixe de ser ignorante. Vou atrás da informação, da história, do conhecimento e aí passo a saber.
  • Percebo, contudo, que frente à imensidão do que não sei, o que acumulei de conhecimento hoje ainda pode ser considerado pouco.
  • Assim, faz sentido dizer que “o pouco que sei deve-se à minha ignorância”.
  • Posso expressar esse entendimento por meio de uma reflexão.  É a sina do homem: ele avança, avança, movido por sua curiosidade e “sede” de saber e tem seu orgulho intelectual sempre vencido pela imensidão de tudo o que ainda não sabe.

AGORA É A SUA VEZ!

Para conferir o resultado, leia o paradoxo e a conclusão a que chegou para uma pessoa em cuja opinião você confie. O que você vai querer saber?

Se sua conclusão tem lógica, se explica (com algum sentido) o paradoxo, mesmo que você ou a pessoa que o ouviu não concordem com a afirmação expressa no paradoxo.

Se quiser, compartilhe seus resultados no “Deixar um comentário” deste blog. Aguardo sua participação!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: